O que eu quero mesmo é continuar a acreditar

Publicamos hoje um texto da professora Isabel, da Escola EB 2.3 D. José I, um texto na nossa opinião de grande sensibilidade publicado no blog do MEP Movimento de Escola Publicas, em Nov. 2009, que retrata o dia a dia da sua escola e o seu desejo.

 O que eu quero mesmo

Na minha escola – lá dentro! – Há alunos que andam armados; há mães que vêm à escola armadas; há pais que vêm à escola armados; há polícias, armados, que fazem rusgas.

Eu não ando armada. Nem dentro, nem fora da escola.

Na minha escola, há pancadaria todos os dias. Às vezes, nas salas de aula; às vezes no recreio; às vezes ao portão. Às vezes, é tão violenta que os funcionários e professores não lhe conseguem pôr cobro e tem de vir a polícia.

Na minha escola, há alunos que chamam familiares e amigos do bairro para ajustes de contas com colegas/vizinhos. Nessas alturas, lá vêm outra vez os polícias.

Na minha escola, há roubos, ameaças violentas e agressões físicas brutais. Entretanto, há aulas.

Na minha escola, há alunos, professores e funcionários que são vítimas destas violências. Alguns alunos pensam que se conseguem defender com armas.

As crianças e jovens da minha escola já não vivem em barracas.

No tempo do presidente João Soares, a Câmara Municipal acabou com as barracas em Lisboa. Agora, vivem em bairros sociais, caixotes de elevadores há muito avariados e onde, segundo os mais novos, não se pode brincar na rua porque há o perigo de apanhar um tiro (o que por acaso é verdade, que tenho um aluno que apanhou com uma bala perdida). Em casa, têm desemprego e alcoolismo. Droga, também. São mães aos 15 e avós aos 30.

Para encontrar outro mundo é preciso sair do bairro. Mas a sua vida não é fora do bairro. O lar é no bairro. A escola é no bairro. Os negócios são no bairro. De vez em quando, lá vem a polícia e leva uns tantos. Mas depois voltam. São muito novos. E assim se vão fazendo fortes. Para não soçobrar diante da mãe que leva um murro do pai; da fome com que se deitam; da miséria a que, por ignorância, chamam vida. Tornam-se sobreviventes. A muitos, só resta aterrorizar para não viver em terror.

Mas o que eu quero mesmo é continuar a acreditar que, se as turmas tivessem metade dos alunos, até ao que tem a vida mais difícil eu conseguia dar um pouco de esperança; não quero ficar aliviada quando os da vida mais difícil abandonam a escola e deixam de causar problemas.

O que eu quero mesmo é continuar a acreditar na solidariedade e justiça social; não quero ser tentada a pensar ser culpa do rendimento mínimo a disponibilidade excessiva das famílias desordeiras que invadem a escola.

O que eu quero mesmo é continuar a acreditar que é possível fazer realojamentos com respeito pelas pessoas; não quero fingir acreditar que os problemas se resolvem desde que os ciganos, os PALOPS de 2ª e 3ª gerações e todos os mais pobres, sejam mantidos à distância, lá bem longe, onde não se cruzem com o resto de Lisboa.

A minha escola já não é minha. Aquela que sonho, em que acredito, que quero, não é esta.

E vou continuar a ir desarmada para a escola.

Isabel L. (prof. da EB 2.3 D. José I, em Lisboa)

 fonte : http://movimentoescolapublica.blogspot.com/2009/11/o-que-eu-quero-mesmo.html

2 respostas a O que eu quero mesmo é continuar a acreditar

  1. ana diz:

    Sou professora neste agrupamento e vou “armada” para a escola com poesia, música, projectos, livros, papeis coloridos e muitas ideias.
    Os pais dos meus alunos vêm armados para a escola com sorrisos, uma mão amiga quando preciso de ajuda num passeio. Um olhar compreensivo quando lhes digo que o seu filho precisa de ajuda em casa e que provavelmente precisamos de ajuda de alguns médicos ou terapeutas.
    Vou continuar a trabalhar neste bairro até que nenhuma colega sofra as injurias e crimes de que esta minha colega é vítima.
    Sonho com um país em que nenhuma colega nem aluno seja vítima de crime nenhum. Em que os homens do meu bairro e as mulheres do meu bairro tenham a liberdade de sonhar e de perseguir os seus sonhos.
    Sonho com um planeta mais democrático e livre.

    Histórias dos nossos alunos:
    Qual os continentes que conhecem?
    Só um o de Telheiras.
    (dois meses depois)
    Europa onde vivemos, América onde vivem os nossos correspondentes, África onde nasceu a G. e a mãe do L., a Ásia de onde vem o S. e a Oceania.

    Como se chama a cidade onde vivemos?
    Musgueira

    (umas semanas depois)

    Lisboa, a nossa freguesia é o Lumiar e o nosso bairro chama-se Alto do Lumiar ou Alta de Lisboa.

  2. Isabel Saldanha diz:

    O que diz faz todo o sentido…não podem ser, se não essas, as nossas armas.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: